Projeto Kigali – Iniciativa Eficiência – Impactos da melhoria na eficiência de ar-condicionado - IEI - International Energy Initiative - Brasil
17804
page-template-default,page,page-id-17804,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-13.5,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

Projeto Kigali – Iniciativa Eficiência – Impactos da melhoria na eficiência de ar-condicionado

Este projeto foi desenvolvido pela IEI Brasil, sob coordenação do Instituto Clima e Sociedade (iCS), de janeiro a março de 2018. O estudo comparou a eficiência energética dos aparelhos de ar condicionado brasileiros com os equipamentos do Japão e da Coreia do Sul, países considerados referências em boas práticas de eficiência energética.

 

Se os níveis médios de eficiência energética dos equipamentos brasileiros fossem os mesmos que os desses países, o que aconteceria? É o que este projeto procurou responder a partir das informações disponíveis dos equipamentos vendidos no Brasil em 2015. Os níveis médios de eficiência dos ares-condicionados desses países foram comparados com a eficiência média dos equipamentos vendidos no Brasil, calculada com base em dados e estimativas do ano de 2015.

 

Os resultados da pesquisa foram publicados em um relatório que contém, entre outras informações, o cálculo dos possíveis efeitos que ares-condicionados mais eficientes no Brasil produziriam em dimensões como a geração de gases de efeito estufa e o aquecimento global; a economia de energia, refletida na conta de eletricidade paga pelos consumidores brasileiros; e a produção de eletricidade no Brasil.

 

O estudo mostra, entre suas conclusões, que se os ares-condicionados brasileiros tivessem níveis de eficiência semelhantes aos coreanos e japoneses seria evitada a produção de 47 a 63 mil toneladas de gases de efeito estufa por ano. Além disso, o consumidor comercial brasileiro seria capaz de comprar até cinco aparelhos de ar condicionado com a economia na conta em dez anos de uso, ou seja, durante a vida útil do ar-condicionado, se os equipamentos brasileiros fossem mais eficientes (considerando de forma conservadora que a tarifa de eletricidade permaneceria constante no período de cálculo). No que diz respeito ao setor elétrico, poderiam ser economizados aproximadamente R$ 142 milhões com a construção de novas usinas graças à quantidade de energia poupada pelos ares-condicionados com melhores níveis de eficiência.

 

Este estudo é parte do Projeto Kigali, também desenvolvido pelo iCS, e que está relacionado à Emenda de Kigali do Protocolo de Montreal. Firmada em 2016, essa Emenda colocou os gases refrigerantes HFCs (hidrofluorcarbonetos), que possuem elevado potencial de aquecimento global e estão presentes nos ares-condicionados, entre os gases do Protocolo de Montreal de combate à redução da camada de ozônio.

Acesse o site do Projeto Kigali: kigali.org.br