Programa solar distribuído de baixa renda do Brasil

Desenvolvido pelo IEI Brasil em parceria com a Revolusolar, do Rio de Janeiro, este projeto teve como objetivo registrar e criar ferramentas para replicar as experiências no acesso à energia solar em comunidades de baixa renda. Entre as metas estava contribuir com o governo federal na elaboração de um programa nacional de energia solar social, uma das recomendações do grupo de transição de Minas e Energia para os primeiros cem dias de governo. Desse trabalho, surgiram como produtos um documento e um relatório com recomendações para os programas.

Documento com recomendações para o governo

 

Desde o início de 2023, o IEI Brasil e a Revolusolar trabalharam em conjunto na elaboração de uma proposta com sugestões para o programa. Em fevereiro de 2023, esse documento foi validado e enriquecido com comentários e sugestões feitas por diversos atores da sociedade civil organizada e de associações locais em uma oficina realizada no Rio de Janeiro (assista aqui à transmissão).

 

Em abril de 2023, o documento “Sugestões para o Programa Social de Energia Solar do Governo Federal”, com as recomendações para o programa, foi entregue em mãos para diversos ministérios em Brasília. O documento baseou-se em experiências nacionais e internacionais, incluindo a da própria Revolusolar, que instalou a primeira cooperativa solar em favela no Brasil. 

 

Acesse o documento no botão abaixo:

Estudo lançado em 2024

 

O IEI Brasil e a Revolusolar lançaram, em maio de 2024, o relatório técnico “Geração Distribuída de Interesse Social (GDIS) com energia solar fotovoltaica: análise de experiências nacionais e internacionais e recomendações para políticas públicas no Brasil”.

 

O estudo apresenta um novo conceito: Geração Distribuída de Interesse Social (GDIS). O termo foi criado e conceituado pelas organizações para maximizar os benefícios da geração distribuída para as populações de baixa renda e vulnerabilizadas.

 

A publicação reúne mais de 130 recomendações para a implementação de uma geração distribuída voltada para essas populações. As recomendações partiram de experiências nacionais e internacionais e são orientadas por uma transição energética justa, inclusiva e popular, pela integração de políticas públicas e por aprofundar a participação social como força motriz de legitimação e de adoção efetiva da tecnologia.

 

O objetivo é contribuir para a criação e a estruturação de um Programa Social de Energia Solar no Brasil. As sugestões envolvem todas as etapas de implementação de projetos e programas, como a estruturação, o momento que antecede a instalação dos sistemas e o pós-instalação.

 

Preencha o formulário e receba em seu e-mail o estudo completo:

    Acesse também o Sumário Executivo, que traz de forma resumida os principais pontos do estudo:

    Na figura a seguir (que está no estudo e no Sumário Executivo), você encontra representada uma visão geral das recomendações feitas pelas organizações: